Páginas

domingo, 13 de dezembro de 2009

2º IIPDROG/SC de Surf Local Etapa Santinho

  http://www.escolasdesurf.org.br/modules/news/article.php?storyid=75


Aconteceu com ondas de 2 a 3 pés e boa formação no dia 12 de dezembro o 2º IIPDROG/SC-ASIS de surf treino local. A chuva não afastou os 30 atletas representantes de Ingleses, SantinhoeMoçambique. A ong IIPDROG em parceria com a ASIS e ESCS organizou o evento que não cobra inscrição dos atletas e oferece boa premiação. O foco do projeto está em atender crianças estudantes das escolas públicas locais.
Confira a classificação final:

ategoria Projeto Social:
1º Miguel (Maria Tomázia Coelho)
2º Dido (MTC)
3º Pablo Ramon (MTC)
4º Diego Santos (MTC)

Categoria PS feminino:
1º Tainá Sodré (Rio Vermelho)
2º Bruna Oliveira (Rio Vermelho)

Categoria Gromet:
1º Irie Pereira (Santinho)
2º Ariel Pereira (Santinho)

Categoria Morador (open):
1º André (Moçambique)
2º Daniel Caldas (Santinho)
3º Yury Manzon (Santinho)
4º Gustavo (Santinho)

Categoria Orientador Surf:
1º Wilson Neves (ESCS)
2º Fabrício Caldas (ESCS)

Expression session:
Diego Santos (MTC)

Entre no site www.iipdrog.org.br e veja a cobertura completa.

quarta-feira, 9 de dezembro de 2009

ORIENTADOR DE SURF

Horário: dia 11 (sexta) das 19h às 22h
dia 12 (sábado) das 9h às 18h
dia 13 (domingo) das 9h às 13h
PAGAMENTO VIA DEPÓSITO EM CONTA CORRENTE DA ACES ou NA SEXTA
Inscrições: via E-MAIL
  • informar nome, e-mail, idade, tempo de surf e formação acadêmica ou escolaridade
  • CASO REALIZE O DEPÓSITO, ESTE DEVE SER FEITO NA CONTA ABAIXO
Associação Catarinense das Escolas de Surf
Bradesco
Agência 0348-4Conta corrente 151.176-9

Informações: Graziella - Secretária ACES - (48) 9991.0335
Local: Salva Surf - Barra da Lagoa

Valor: R$ 200,00
Programa:
. Regras para formação e credenciamento das escolas de surf
. Regras para formação / credenciamento de Profissional Responsável, Orientador e Apoio ao Orientador
. Categorias de profissões e postos dentro das escolas de surf
. Legislação Aplicada à Escolas de Surf
. Trabalho/Atendimento com Qualidade
. Movimento 5S
. Pequena história do Surf
. O professor de surf: responsabilidades, obrigações e qualidades pessoais
. Habilidades necessárias ao professor de Surf


. Segurança dentro e fora da água
. Níveis de aprendizado nas aulas de surf
. Equipamentos
. Aquecimentos e Alongamentos
. Principais riscos do surf e prevenções
. Aula de surf: organização e planejamento
. Desenvolvimento da aula de surf
. Modelo de aula para nível iniciante
. Modelo de aula para nível intermediário
. Manobras básicas
. Marketing Esportivo
. Ventos e Ondas
. A Rosa dos Ventos como orientação

Anexos para leitura:
. Oceanografia e Segurança
. Receita de Onda: como o vento arrasta o mar até a praia
. Termômetro Global: Correntes marítimas, a eterna ciranda do planeta
. O poder dos astros: saiba como a lua e o sol alteram o nível dos mares

Pré requistos:
Para "Orientador de Surf" - Inscrição no CREF3-SC, 5 anos de Surf com domínio de Long Board e Pranchinha.
Para "Apoio ao Orientador" - Surf com domínio de Long Board e Pranchinha
Ministrantes:
1. Karina Abras - CREF3 P/SC
Diretora Técnica ACES - Profissional de Educação Física, com cursos na NSSA, BSA e Surfing Australia, Tri campeã Brasileira de longboard profissional, Campeã da Expression Session no World Longboard Tour em Biarritz, proprietária da Easy Surf na Praia da Joaquina, Orientadora de Surf desde 1988

2. Roger Souto Mayor - CREF3 012032 P/SC
Presidente ACES - Profissional de Educação Física na Modalidade Surf, Presidente reeleito em sua 2ª Gestão Administrativa, Proprietário do Floripa Surf Club na Praia Mole, Orientador de Surf desde 1988
3. Graziella Maridakis Risso - CRP 0124430
Secretária Executiva ACES - Psicóloga Pós Graduada em Gestão e Treinamento em Surf e BoardSports, há cinco anos trabalhando na entidade, GRC do Floripa Surf Club
4. Fabrício Caldas - CREF3 012021 P/SC
Diretor de Planejamento e Marketing ACES - Formado em Turismo e Hotelaria e Pós Graduado em Gestão e Treinamento em Surf e BoardSports, proprietário da Escola de Surf Costão do Santinho, Orientador de Surf desde 1993.

domingo, 6 de dezembro de 2009

Linha do Tempo - Surf Santa Catarina

Linha do Tempo de eventos importantes relacionados ao surfe em Santa Catarina.
Ainda há muita informação para compilarmos, em breve teremos novidades.




Ver mais informações da linha do tempo...

2º IIPDROG/SC de Surf Treino Social

Posted by Picasa

Regulamento:

2º IIPDROG/SC de Surf Treino Social

Parceria: ASIS (Associação de Surfistas Ingleses e Santinho)

Categorias:

*Orientador de Surf

Orientadores devidamente em dia com a ACES e CREF3/SC realizadores de ações sociais atuais em Santinho e Ingleses, entra também o Presidente ACES representando o seguimento. (8) vagas

*Projeto Social

Escola Pública Maria Tomázia Cabral (Santinho) ESCS

Convidados pela Itararé (Ingleses) com Dinarte.

Apresentar atestado de freqüência escolar atual. (8) vagas

*Morador

Atletas locais (nascidos dentro da Grande Florianópolis) que residem em ingleses e Santinho.

Apresentar RG e comprovante de residência em seu nome ou de pai, mãe ou irmão.

Deixar xerox. (8) vagas

Inscrições:

Os 8 (oito) primeiros participantes que fizerem contato informando nome completo, RG, endereço e entregarem a documentação correspondente, estarão devidamente inscritos. Precisarão estar na área do evento ás 8:00h de sábado para confirmarem presença e realizar uma coleta de micro lixo no local.

Contato para inscrição: escolinhadosurf@yahoo.com.br

Voluntários

Orientadores de Surf em dia com a ACES e CREF3/SC poderão ministrar aulas de surf para crianças das comunidades de Florianópolis. Usarão lycra especial e participarão de matérias jornalísticas.

*Free Surf

No domingo vai rolar uma expression session com(8) vagas para surfistas nascidos em outros municípios do Brasil ou de qualquer nacionalidade, e orientadores de surf ACES que representam o estado de Santa Catarina. Apresentar comprovante de residência (xerox) e no caso de orientadores diploma ACES 2009.

Realizar caça ao lixo.

“Todos os participantes ganharão uma camiseta do evento.”

quinta-feira, 3 de dezembro de 2009

O CONCEITO DE MÍDIA-EDUCAÇÃO EM UMA PROPOSTA PEDAGÓGICA COM O SURF

Giorgia Enae Martins

Bolsista PET- Educação Física/UFSC
Aluna da Graduação em Educação Física – Licenciatura/UFSC

Resumo:
Entendendo o espaço escolar atual, enquanto carente de novas propostas educativas, e ainda levando em conta a influência sobre a sociedade das tecnologias de informação e comunicação, as mídias, este trabalho propõe a utilização do conceito mídiaeducação aliado ao conteúdo do Surf na Educação Física Escolar.

Palavras-chave:
Mídia-educação, Surf, Educação Física Escolar.

A infância e a adolescência têm fundamental importância para o desenvolvimento do ser humano, pois é nestas fases que o sujeito passa pela maioria dos processos orgânicos, psicológicos e sociais. Neste período ela se depara com situações até então nunca vividas, de modificação corporal, amadurecimento psicológico, e principalmente, de posicionamento frente à sociedade, e parte significativa dessas “trans-formações” se dão no ambiente escolar.

A escola representa uma instância da sociedade incumbida de funções educativas, sociais, formativas, entre outras, a serem cumpridas dentro de determinadas regras, diretrizes e combinados, no intuito de garantir o desenvolvimento e a formação humana por meio de vivências e experiências que permeiam o processo ensino-aprendizagem. Para Michels (2006) o ensino sistematizado e a transmissão de valores, são ações educativas compreendidas pela escola de maneira integrada, que por assumir o papel de agente transformador da sociedade, é produto e produtora de relações sociais.


No entanto as propostas de ensino, as concepções pedagógicas e o currículo não são construídos conforme os anseios e os objetivos dos alunos juntamente com o corpo docente comprometido com a educação. A estrutura de ensino escolar atual é determinada por uma realidade política e quantitativa, em busca do aumento de estatísticas, sem o devido cuidado com a qualidade do ensino e com aqueles que vivenciam o espaço escolar. Padilha (2001) propõe uma forma de organização escolar onde o planejamento, não mais, funcione como argumento administrativo e burocrático somente, mas como forma de estabelecer diretrizes norteadoras da educação.


O ensino deve ser socializado por todos os agentes da escola comunicando-se e utilizando diversas formas de comunicação, pois estas interagem e integram os indivíduos que a constroem. Independentemente do meio que se utilizem para transmitir informação e conhecimento, as relações sociais ficam implícitas neste processo. Grande parte destes mecanismos de transmissão de informações encaixa-se na categoria midiática. Na sociedade,
esta é utilizada, em sua maioria, como forma de transmissão de informações em massa, com objetivos condizentes com a lógica mercadológica e individualista vigente nos dias atuais. Na escola, local onde os meios de comunicação poderiam/deveriam ser utilizados de forma re-significada, as mídias são simplesmente consumidas, com pouca ou nenhuma contextualização. Esta relação simplista com os meios de comunicação e acesso a informação reduzem as mídias à somente suas funcionalidades e não como elemento educativo. Para que a escola promova essa articulação, deve buscar alternativas de produção de conhecimento e de socialização, utilizando meios e linguagens inovadoras, com embasamento, interesse e responsabilidade.

A linguagem oral reproduz a construção do pensamento de forma simplificada, e facilmente conturbada por mecanismos de violência, desrespeito e até de submissão. Portanto uma proposta que una categorias midiáticas diversas a conteúdos escolares, incentivada pelo conceito de Mídia-educação, em que o aluno participe desde a organização e construção até o resultado final do ensino, utilizando a mídia como veículo mediador e objeto da prática, caracteriza um ensino complexo, rico e que busca o desenvolvimento do aluno/ser humano de forma integral e atual.


Mais especificamente nas aulas de Educação Física, os conteúdos devem condizer com a realidade da cultura corporal presente naquela comunidade ou localidade, já que as especificidades dos indivíduos diferenciam-se de acordo com as características ambientais em que estes se constituíram. Um ótimo conteúdo para se trabalhar nas aulas de Educação Física em escolas de cidades litorâneas, é o surf, por ser uma realidade presente no dia-a-dia do indivíduo residente em proximidades de praias. Mas o professor deve se perguntar: Como ensinar o surf dentro da escola? Este desafio pode estimular a criatividade do professor, assim como o interesse dos alunos pelo novo, de forma a incitar novas ferramentas metodológicas de ensino que se agreguem a formação humana, e é aí que entra o conceito de Mídia-Educação em uma proposta pedagógica com o conteúdo do surf nas aulas de Educação Física.


“Estamos sendo educados por imagens e sons e muitos outros meios provindos da cultura das mídias, o que torna os audiovisuais um dos protagonistas dos processos culturais e educativos, e a escola precisa redimensionar tais potencialidades”. (Fantin, 2006)



O objetivo desse estudo é buscar no conceito Mídia-educação ferramentas de se trabalhar o surf na escola, de forma a aumentar a bagagem de conteúdos a serem trabalhados nas aulas de Educação Física. Reconhecendo a mídia como elemento presente na atualidade, esse trabalho propõe a utilização e estudo das características midiáticas em meio ao conteúdo do Surf nas aulas de Educação Física na escola.

Ver todo o conteúdo...


Surf e Educação

ALIMENTOS INTEGRAIS

Alimentos integrais são aqueles que não passaram pelo processo de refinamento, são ricos em nutrientes como as fibras (importantes para a manutenção e funcionamento adequado do intestino), vitaminas e minerais (importantes reguladores do organismo).

O processo de refinamento leva a considerável perda de nutrientes, restando praticamente só o amido (carboidrato). Para que tal amido possa ser absorvido, torna-se necessário á presença de vitaminas e minerais. Estas vitaminas, quando não fornecidas pelo alimento (que é o caso dos alimentos refinados) faz com que o próprio organismo se encarregue de fabricá-las. Levando o paciente a um quadro de empobrecimento vitamínico e mineral que proporciona o desequilíbrio do funcionamento do nosso corpo causando (cansaço físico, cansaço mental, eventualmente ocasionando gripes e resfriados constantes, gastrite, dores nos ombros, artrite...).

A alimentação moderna é composta de alimentos refinados, com conservantes, corantes, estabilizantes, aromatizantes e, além disso, são deficientes em fibras, vitaminas e minerais. Por isso, precisamos consumir alimentos integrais saudáveis como:

  • Açúcar Mascavo – É o açúcar de cana integral, que não passa pelos processos de refino e industrialização. Tem uma coloração marrom e sabor como de rapadura moída. Rico em cálcio, ferro, potássio e diversas vitaminas que não são encontradas no açúcar refinado. É importante lembrar que o açúcar mascavo não é aconselhável para diabéticos.
  • Arroz integral – É o alimento indispensável para dieta, possui a cadeia mais completa dos 12 aminoácidos indispensáveis para a formação de novas células. Rico também nas vitaminas A, B, B2, B5, B6, e os minerais, cálcio, ferro e fósforo. Bem mastigado é um poderoso alimento funcional.
  • Centeio – (grãos, farinha, flocos) – É um excelente alimento usado há milênios na confecção de pães. Rico em cálcio, ferro, magnésio e fósforo.
  • Cevada – (café de cevada) – Com os grãos torrados e moídos, prepara-se o “café de cevada” que acalma os nervos e é excelente fortificante para o cérebro. Tônico para o coração.
  • Cevada em grão (cevadinha) – É um cereal leve muito consumido na preparação de pães, os grãos cozidos (puros ou em sopas). Rico em cálcio, potássio, fósforo, silício, vitaminas do complexo B e beta caroteno.
  • Farelo e fibra de trigo o é utilizado – Evita problemas no intestino e devido seu baixo teor calórico é utilizado também como auxiliador no tratamento da obesidade.
  • Farinha de trigo integral – É o grão de trigo moído sem passar pelo processo de refinamento. Utilizado no preparo de bolos e pães, substitui a farinha branca comum. Que no processo de refino, perde vitaminas A, B, Zinco, Magnésio, Cromo, e outros 21 nutrientes importantes ao bom funcionamento o nosso corpo.
  • Germe de trigo - Fonte de vitaminas E, complexo B e proteínas. Excelente para casos de esterilidade e distúrbios da menopausa (insônia, tensão). Diminui a tensão arterial e varizes.
  • Trigo em grão – Rico em ácido glutâmico, é conhecido como o alimento que acentua a inteligência, criatividade e raciocínio. Possui vitaminas A, B, C, PP, cálcio, fósforo, magnésio, potássio, zinco.

Procure uma loja de produtos naturais, e conheça melhor a linha dos alimentos integrais!

Vanessa Caldas – Nutrição e Dietética


sábado, 26 de setembro de 2009

História do Surf em Santa Catarina

Utilize o mouse para navegar clicando na linha do tempo e movendo para esquerda ou direita ou use o botão verde na parte inferior do quadro.
Tem mais informações entre em contato para incluirmos na linha do tempo.


Projeto Marbras Et Mundi - Poliuretano Reciclado

Produção de Blendas de Poliuretano Reciclado

  • A indústria do surf no Brasil e no mundo vem há mais de 40 anos gerando resíduos tóxicos, inflamáveis, com
  • Prazos de decomposição elevadíssimos e com alto valor agregado;
  • São descarregados em aterros simples ou “lixões”, sem qualquer tipo de tratamento específico;
  • Pela sua toxicidade e inflamabilidade são classificados
  • Pela NBR 10.004 como Classe I, resíduos perigosos.

Introdução

  • a indústria do surf no Brasil movimenta US$ 1,6 bilhões/ano;
  • com mais de 600 empresas disputando cerca de 58.000.000 de consumidores potenciais;
  • são produzidas aproximadamente 50.000 pranchas anualmente em nosso país e 800.000 no planeta;;
  • aproximadamente 2.500.000 praticantes;
  • o surf no Brasil é o segundo esporte mais praticado entre os homens e o terceiro mais assistido na TV;
  • cada dia reunindo mais adeptos e com conseqüente aumento da geração de resíduos sólidos nos seus processos produtivos e pós-consumo.
(FONTE: PESQUISA BRASMARKET 2000 e Revista Veja 2003)

Objetivo da Oficina

Produzir duas blendas de poliuretano recuperado, sendo uma delas com composição biodegradável, ambas com a adição de material residual gerado no processo de shape de uma prancha de surfe, como propósito de demonstrar em escala experimental, a viabilidade do processo de recuperação do poliuretano.

Veja tudo sobre o projeto MARBRAS...



Projeto Marbras Et Mundi - Poliuretano Reciclado

Rede Social